quinta-feira, 6 de abril de 2017

VIP-RADA CULTURAL






Além do anúncio de que fará shows em recintos fechados em Interlagos e Sambódromo, João Dória Jr. divulgou no Diário Oficial do Município que a Virada Cultural, nos dias 20 e 21 de maio, terá "estrutura qualificada de atendimento" - o que permite deduzir que estão pensando em áreas VIPs e cercadinhos para a "gente diferenciada".
A Prefeitura está vendendo, até o dia 20, cinco tipos de cotas de patrocínio para o megaevento - o mais barato custa R$ 300 mil, o mais caro custa R$ 4 milhões. A Virada Cultural de 2016 custou R$ 15 milhões. O anunciante poderá expor sua marca nas laterais dos palcos, na testeira dos palcos, nas lixeiras, banheiros e guarda-sóis do evento.
A Virada Cultural 2017 prevê 900 atrações nos palcos, 200 a mais do que em 2016, a última da gestão Haddad. A maior aposta de Doria, além dos eventos em recintos fechados, é numa "maior ocupação territorial".







PARIS BRILHA SEMPRE




Zaz veio, Zaz cantou no Espaço das Américas, no dia 2, e eu não fui. Era dia do aniversário do João e foi um dia muito atarefado. Mas eu a entrevistei. Eis a íntegra da entrevista.



Jotabê Medeiros

O Chatêau de Crussol são as ruínas de um castelo do século 12 no Vale do Rhône, na França. Outrora ocupada pelos romanos, a região será dominada, nos próximos dias 8 e 9 de julho, pela entourage da cantora francesa Zaz e seu “festival cidadão”, que ela batizou de Zazimut, e que reúne conferências, feiras, ateliês artísticos e muita música. “Também estamos a caminho de lançar um game de comunicação não violento que se pode aplicar a uma classe de alunos, no decorrer de um programa escolar. Sem falar de todos os outros belos projetos que tenho na cabeça, que quero realizar em breve. É excitante”, me contou uma esfuziante Zaz.

A França produz superestrelas planetárias em doses homeopáticas, e o pop de Zaz é uma dessas pílulas: em pouco mais de 5 anos, a cantora, nascida Isabelle Geffroy às margens do rio Loire, em Tours, no centro da França, acumula façanhas. Vendeu mais de 3 milhões de discos de seus primeiros dois álbuns e tocou em mais de 50 países.

Misturando gipsy jazz com a música francesa tradicional, ela chegou a ser chamada de “nova Piaf”, comparação que detesta. Antes da fama, Zaz ralou bastante. Cantou em cabaré durante 5 anos, sem microfone. E também se apresentou nas ruas de Montmartre. Descoberta pela facilidade de interpretar o jazz, sua música entrou na trilha sonora do filme A invenção de Hugo Cabret, de Martin Scorsese e ela fez dueto com Plácido Domingo em Le Chason Des Vieux Amants. Paris, seu disco de 2015, teve produção de Quincy Jones.

Mas ela não quer só confetes, como explicou na entrevista. “Eu sempre pretendi que a energia de minha música, minha notoriedade, sirva a algo mais além de procurar proporcionar prazer ao público”. O projeto Zazimut, que engaja ONGs e associações por onde passa, é sua atual menina dos olhos, sonho de garotinha. Desenvolve ações e pesquisas com propósito de renovar sistemas educativos. Para financiar isso, ela utiliza a venda de produtos derivados de sua carreira e shows beneficentes, que já atingiram 100 cidades em 20 países, estabelecendo conexões entre o público, as estruturas locais e ações não lucrativas.
Em 5 anos, você ocupou lugar de superstar da música francesa. Dizem que superpoderes trazem também super-responsabilidades. Você sente essas responsabilidades?

Sim, é claro que as portas se abrem mais facilmente por eu me chamar Zaz, mas há também o outro lado da moeda: a perda de liberdades, a ausência de anonimato. Além do mais, eu quis investir na sociedade, deixar a impressão de ter feito algo que é maior que as coisas que me causam descontentamento. Eu quero contribuir para um mundo mais respeitoso com os seres da terra. Com meu projeto Zazimut, nós destacamos pessoas que encontramos por toda parte para onde levamos nossos concertos, além das associações, as ONGs. E é genial de ver todas as belas iniciativas, o cidadão que não espera que os outros façam em seu lugar. É como a lenda ameríndia do colibri, alguém que faz a sua parte com seus próprios movimentos. Todo esse entusiasmo que gera esse belo projeto e todas as frutas que colhemos, eu acho fantástico. Estou certa que a primeira edição do festival Zazimut será uma bela aventura. Eu sempre pretendi que a energia de minha música, minha notoriedade, sirva a algo mais, além de procurar proporcionar prazer ao público. Com Zazimut, é meu sonho de menina que eu concretizo. Penso que o mundo está em plena mutação. Sabemos que há muitas demandas e que é muito difícil fazer prognósticos, em especial sobre a política. Podemos ver as coisas de maneira positiva ou negativa. Eu prefiro ver o copo meio cheio do que meio vazio, pensar que teremos um mundo melhor a seguir. Essa não é senão uma etapa de transição. Penso que as coisas estão melhores se comparamos com o século 20 ou mais para trás.

Seu novo espetáculo é uma invenção do designer Laurent Seroussi, que foi colaborador de Henri Salvador, Françoise Hardy, Yael Naim. Qual imagem de Zaz que Seroussi trabalhou?

É tudo completamente uma colagem de Laurent. Ele é muito criativo e captou meu universo de forma tão onírica quanto realista. Em pouco tempo ele inseriu a poesia no espetáculo, em colaboração com Nicolas Guilli, que é o designer de iluminação e que para mim é um verdadeiro poeta. Para ser sincera, eu tenho verdadeiramente uma bela equipe de técnicos em torno daquilo que sublima o espetáculo, e isso é essencial. Sem falar dos músicos, obviamente. Amo minha equipe!
Vivemos hoje o império do R&B, bastante dependente da dança, da produção, coreografia. A indústria musical te pediu para se aproximar desse universo?

Não, me pediu para propor alguma coisa de diferente ao público para entretê-lo. Há hoje muitos elementos exteriores à disposição para entreter sem se privar de nada. O espetáculo com o qual nós estamos indo ao Brasil (o show em SP foi no dia 2, domingo) não é o mesmo que mostramos em turnê na França, porque é muito complicado contratar todo o necessário para montar o kit completo. Vamos armar um belo compromisso para que vocês possam ver uma significativa parte do show.

A última turnê que você fez pela América do Sul foi complicada, você e o seu grupo tiveram problemas com aeroportos e tiveram que atravessar a Cordilheira dos Andes de ônibus. Que tipo de surpresa você espera dessa vez?

É verdade que foi doido, e o que nós lembramos no final é isso que se tornou um dos meus souvenirs de turnê que volta e meia lembrados. Hihihihihi!!!! Eu adoro os imprevistos. E depois, malucos como nós somos, nós nos adaptamos a tudo. Veremos qual será a surpresa dessa vez.

Na França, muitas das novas cantoras logo ganham o estatuto de herdeira de Piaf. É uma coisa boa, em sua opinião?

Não sei de nada. As pessoas precisam fazer as comparações, eu creio, e veem isso em certas referências, como Piaf, experimentando assim seu desejo de reter a estrela do passado, a nova Piaf. A mim, pessoalmente, isso me chateia!
Um ano e meio após o atentado do Bataclan, você acha que Paris se tornou uma cidade diferente? Há hoje um mundo muito mudado, há essa novidade do Trump nos Estados Unidos, o Brexit na Inglaterra, a direita fortalecida na França. Como você vê esse novo mundo?

Eu creio que as máscaras caíram. Creio que o mundo está em plena mutação. De toda maneira, para mim, é um momento em que se está a retomar a posse do livre arbítrio, e é uma coisa boa. Claro, isso conduz também aos extremos, é inevitável. Mas eu acredito nos atos cidadãos e muita gente não quer que o governo aja por ela. Vejo todas essas pessoas que se mobilizam para criar a sociedade que querem ver eclodir, por exemplo, na educação, na agricultura. Deve-se prestar atenção ao que eles reivindicam, não focalizar em seus aspectos negativos mas no que fazem de bom, que é alimentar a alma e o bem comum. Para mim, a nossa responsabilidade é difundir o amor, ante o risco de ficarmos sob o medo e ceder o poder a essas pessoas que não querem mais do que destruir. Eu fiz a minha escolha. Sim, Paris recebeu um golpe, mas Paris brilha sempre.


quinta-feira, 30 de março de 2017

O PESO PENNA

Guerra Fria, do grupo Papa Poluição


Rock star nos anos 1970, o potiguar José Luiz Penna, de 71 anos, é o novo Secretário da Cultura do Estado de São Paulo. É um dos dois principais líderes do Partido Verde (PV) - o outro é o contestado Zequinha Sarney. Penna tentou se eleger deputado federal em São Paulo em 2014, mas teve votação inexpressiva. Ele e o ministro da Cultura, Roberto Freire, são muito amigos e foram colegas de Partido Comunista.

O PV paulista é uma legenda que tem atuação no mínimo controversa: partido presumivelmente ambientalista, milita numa cidade onde há centenas de rios mortos (situação que não move uma palha para mudar) e é coligado com o PSDB, que governa o Estado há 22 anos e gastou bilhões para despoluir o Rio Tietê, devolvendo-o pior do que era.

Penna foi acusado por adversários políticos de “alugar” a legenda em diversas ocasiões, uma delas para que Marina Silva se candidatasse à presidência. Logo em seguida, após perder a eleição, Marina abandonou o partido. Em 2012, o ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira, um dos fundadores do PV, saiu da legenda, após acusá-la seguidamente de estar procedendo a uma “escoliose à direita”.

A trajetória de Penna nem sempre foi política. Quando era um dos três frontmen da banda Papa Poluição, nos anos 1970 (ao lado de Paulo Costta e Tiago Araripe), ele defendia um conceito de rock misturado a regionalismo com resultado muito interessante (ouça acima). A banda foi formada em 1975 e gravou apenas dois compactos e tinha um coté meio Novos Baianos, embora o rock predominasse sobre a pesquisa de ritmos. “O pessoal da MPB dizia que éramos roqueiros, os roqueiros diziam que éramos MPB”, lembra hoje Paulo Costta, guitarrista, vocalista e arranjador. 

Apesar do nome, o Papa Poluição não era um grupo de militância verde, segundo contou Paulo Costta. “O PV é coisa apenas do Penna, bem mais na frente”. 

POR QUE CAIU SADEK?


Por que caiu o Secretário Estadual da Cultura, José Roberto Sadek?
Primeiramente, porque ele podia cair. Não era político, não tinha relação direta com o partido no poder há 22 anos, o PSDB, era um mero operador de carreira e estava ali tapando buraco: o secretário anterior, Marcelo Araújo, foi conduzido pelo regime Temer até a direção do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e não havia ninguém para entrar no seu lugar.

Já os pretextos para derrubar Sadek foram dois, basicamente: o primeiro foi a comprovação de uma ilegalidade (que aconteceu antes de sua chegada à secretaria, para ser justo). Uma das Organizações Sociais para as quais a secretaria repassa responsabilidades, o Instituto Pensar, firmou R$ 600 mil em contratos irregulares em 2013. Após denúncia, o fato chegou a público e esses contratos foram cancelados e o dinheiro foi devolvido, segundo informou em audiência na Assembleia Legislativa, na terça, Clodoaldo Medina Jr., diretor-executivo do Instituto Pensarte, responsável pelas atividades de três grupos artísticos subordinados à Secretaria da Cultura – além da Banda Sinfônica, a Orquestra Jazz Sinfônica do Estado e a Orquestra do Theatro São Pedro (Orthesp).

Nessa mesma audiência, que a Assembleia, covil governista, chama de “depoimento informal”, o ex-secretário Sadek explicou o segundo pretexto que o levou à rua: a extinção da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, com 64 músicos demitidos, e o sucateamento das outras estruturas orquestrais. Ele argumentou que “não foi uma escolha agradável, mas era isso ou o corte de 1/3 de todos os corpos estáveis”.

Sadek pegou uma estrutura em frangalhos. Segundo explicou aos deputados, no conjunto do orçamento cabível à sua pasta neste ano, foi reservado o valor de R$ 20 milhões, por isso decidiu priorizar projetos sócio-culturais como o Guri e as Fábricas de Cultura. Isso é tudo que o poderoso Estado de São Paulo destina para a Cultura?

Carlos Giannazi (PSOL) e Marcia Lia (PT) questionaram o motivo de os músicos da Banda Sinfônica do Estado terem sido demitidos em fevereiro, mesmo após a Assembleia Legislativa ter aprovado emenda parlamentar, em dezembro do ano passado, repassando R$ 5 milhões para custear os gastos daquele corpo estável. Sadek cometeu um sincericídio nesse ponto: respondeu que o contingenciamento havia atingido R$ 16 milhões (ou seja, muito acima dos R$ 5 milhões conseguidos pela orquestra). Pode ser que o governador não tenha gostado dessa sinceridade.

Sadek também argumentou, a respeito das irregularidades no Instituto Pensarte, que há oito órgãos fiscalizando as contas do governo. Um deles é o TCE de São Paulo - cujo presidente, Robson Marinho, está afastado por corrupção. E é bom lembrar que há 7 conselheiros do TCE do Rio afastados nesse momento por acusação de conluio com irregularidades e falcatruas.

Sadek defendeu as OSs, alegando que elas ajudam a captar recursos e fortalecer a gestão pública. Mas esse argumento foi derrubado pela deputada Leci Brandão (PCdoB) facilmente. Ela perguntou quanto a Pensarte havia captado de recursos e Medina informou que, no ano passado, 10% de seu orçamento, “percentual acima do esperado”.

Sobre a saída de Sadek, alguns fatos precisam ser destacados: a Wikipédia registra José Luiz Penna como novo secretário de Cultura do Estado desde o dia 21 de março de 2016 (provavelmente, projetando seu próprio desejo de ser secretário em uma eventual demissão de Marcelo Araújo). E, desde janeiro, muitos do meio cultural já o cumprimentavam pelo novo cargo. Ainda assim, cumpriu a Sadek a espinhosa tarefa de implodir orquestras, em fevereiro. Só depois é que efetivaram Penna.

A secretaria da Cultura emitiu a seguinte nota nesse minuto:


José Roberto Sadek assumiu o posto de Secretário da Cultura do Estado em 2016, após Marcelo Araújo deixar a Pasta. Na época, já estava previsto que Sadek ficaria à frente da Secretaria até a decisão de um novo titular. José Luiz Penna, que assume a função a partir da segunda-feira, 3, atua no setor artístico desde a década de 60 participando ativamente da criação de projetos socioculturais e ambientais, como o Centro Cultural de Vila Madalena e a Comissão Pró Índio.

Currículo do novo secretário:

Músico, ator e cineasta, José Luiz de França Penna tem atuação na área cultural desde os anos 60, com participação ativa no desenvolvimento de iniciativas socioculturais e ambientais como o Centro Cultural Vila Madalena e a Comissão Pró Índio.  Em 1987, foi um dos fundadores do Partido Verde, que desde 2011 está na base de apoio do Governo Alckmin. Com ampla experiência em gestão pública, Penna ocupou cargos nos legislativos municipal e federal. Nesta quarta-feira, 29, foi confirmado como Secretário da Cultura em substituição a José Roberto Sadek, que seguirá como professor universitário. 

quarta-feira, 29 de março de 2017

A ASSOMBROSA DERROCADA DA EMPATITE




À frente do Corinthians, Tite empatou 100 vezes, perdeu 62 e ganhou 176 (uns 40% disso pelo resultado de 1 a 0). Isso lhe valeu o apelido de “Empatite” - obviamente, alcunha empunhada mais pelas torcidas adversárias, mas muitos amigos corintianos também usavam. Como foi que ele perdeu esse título e agora é um reles goleador? Seu time fez 10 gols contra os mais tradicionais adversários da América: Argentina, Paraguai e Uruguai.

Mudou o Tite ou mudou o mundo? Bem, agora ele tem Neymar (e Gabriel Jesus ao mesmo tempo) no time. Neymar praticamente ganhou uma Olimpíada sozinho - fez 5 gols, deu passe para quase todos os outros. O treinador era bom? Não sei, foi demitido há um mês, pouco depois do fiasco num campeonato Sub-20.

Mas não há como discordar que Tite é um tremendo de um estrategista, é chover no molhado dizer isso. Ele provou que pode ganhar títulos com time ruim e com time bom. Como não quero lustrar troféu de título, vou tentando driblar o senso comum, quero especular o que ele fez de certo nessa seleção. Vai permanecer em mim a impressão que, se Tite fosse o treinador do Santos em 2009, Neymar nunca teria sido promovido ao time principal. Faça o teste, coloque no Google uma busca assim: “Tite revelou os jogadores...”. Não virá nada. Há treinadores que são visionários e há treinadores que são missionários - Tite é desse segundo grupo.

Na nova seleção, Tite acertou muito ao tirar Willian e colocar Philippe Coutinho no time. Coutinho está em fase fenomenal, é um fator de desequilíbrio. Willian carregava demais a bola e vivia cercado pelo time adversário, que via num bote ali a chance de abortar ataques e armar contra-ataques. Com inversões rápidas de jogo, Tite diminuiu esse risco, além de contar com volantes habilidosos.

Mas, se quem trouxe Coutinho para a seleção foi Dunga (assim como Fernandinho, Firmino e muitos dos outros), qual a novidade? As “surpresas” de Tite são Giuliano, Fagner, Taison. Não são exatamente apostas colossais, são? Casemiro se escalou sozinho, pelo que fez no Real Madrid. Não convocá-lo seria negar a realidade. O resto é basicamente o mesmo. Tite reconvocou Paulinho após longo jejum, provavelmente pela obediência tática.

A novidade é que Tite conseguiu convencer o time que não existe caminho mais curto até o gol, a não ser que o adversário esteja desguarnecido no momento. O time do espartano Dunga, sem encontrar caminhos, apelava para a ligação direta o tempo todo. David Luís chegou a pensar que era o próprio Gerson. A saída de Hulk extirpou definitivamente o voluntarismo ofensivo.

Outra coisa que mudou no Brasil de Tite em relação ao de Dunga foi a defesa. Na minha visão, fundamentalmente, esculpiu uma nova saída de bola da defesa. Com um jogador chave, Marquinhos, que não é oriundo do setor, além de Miranda (e eventualmente Rodrigo Caio), o Brasil definiu que sair jogando sem dar chutão é o primeiro esboço de um time. Parece um clichê, mas é verdade. Foi nesse setor que Fernando Diniz fez do Audax de 2016 o time mais audacioso do Paulistão. Dunga se via obrigado a escalar sempre a dupla Thiago Silva e David Luís, do esquemão Bolsa de Valores da CBF. Os laterais, os questionados Marcelo e Dani Alves, não são mais highways convidativas de todos os adversários. Esperam a aproximação dos meias para seguir a jogada, ou então recuam. Não se tornaram melhores do que são, apenas corrigiram postura.

Às vezes, uma gestão modesta se transforma na mais ambiciosa. Tite, pelo jeito como está sendo festejado pelos filósofos da vitória, já começa a pegar gosto pela ousadia. Se ele viciar, vai acabar descobrindo também as maravilhas do inesperado, da surpresa. 

PAISAGEM CULTURAL




Uma perigosa portaria da atual gestão do Ministério da Cultura apareceu hoje no Diário Oficial da União. Trata-se da criação de um grupo de trabalho para, em 6 meses, redefinir o conceito de paisagem cultural no Brasil.

Vejam: a paisagem cultural é uma categoria de preservação definida pela Unesco em 1992. A União Europeia passou a adotá-la em 1995. O Brasil só veio a encampar esse conceito em 2009, criando como instrumento jurídico de preservação a chamada "chancela". Dezenas de especialistas contribuíram para a definição desse instrumento e dezenas de artigos, ensaios e teses foram escritos para que, ao final, uma gestão de fundamentos frágeis se disponha a "rediscutir conceitos basilares".

Os Lençóis maranhenses, o Pantanal mato-grossense, os Sete Povos das Missões Jesuíticas de São Borja (RS), a Chapada do Jalapão: são vários os exemplos de regiões enquadráveis nesse tipo de proteção, que devem conjugar a junção da paisagem natural com a cultural e a necessidade de preservação.

Tirando o problema da legitimidade do atual governo (se é que é possível excluir isso), há alguns problemas nessa portaria. Primeiro, porque se dispõe a "propor diretrizes para abordar os desafios atuais na constituição de parcerias para a gestão compartilhada das paisagens culturais". O que são esses "desafios atuais"? Da especulação imobiliária?

A portaria diz que pretende contar "também com a participação de especialistas da sociedade civil". Mas não há esse tipo de especialista no texto, só membros do Iphan. Seriam consultores contratados? Informa ainda que "poderá ser demandada a revisão da Portaria 127/2009 caso o Grupo de Trabalho da Paisagem Cultural Brasileira construa novas formulações para tanto".

Durante o governo de FHC, estive (com Vidal Cavalcante) em Porto Seguro, Santa Cruz de Cabrália, Trancoso e toda aquela região para o ato de tombamento da paisagem pelo patrimônio imaterial. Não sei se foi importante para a efetiva preservação, mas considero que é um aporte simbólico do Estado em relação às preciosidades nacionais. Não confio, sinceramente, que um regime de notório desapreço pela democracia, pelo coletivo, o bem comum, tenha zelo para dar conta em seis meses de recriar instrumentos para isso.

quarta-feira, 22 de março de 2017

A GRANDE CASCATA DA MUDANÇA NA LEI ROUANET





Roberto Freire tirou dos pobres para dar aos ricos. Essa é a conclusão que se tira a respeito da Instrução Normativa nº 1, a primeira mudança da Lei Rouanet na era da exceção democrática, publicada hoje no Diário Oficial da União.

A mudança manteve todos os privilégios dos ricos, os institutos culturais, os grandes museus privados e as fundações que usam a Lei Rouanet. Foram estabelecidos tetos para as micro-empresas, mas os Planos Anuais não têm teto, podem continuar utilizando a grande massa dos recursos do incentivo. Ao mesmo tempo, o MinC tirou todas as esperanças dos mais pobres, replicando assim as grandes mudanças que estão acontecendo no Congresso no momento, com a dilapidação da Previdência Social (na prática, um confisco de vidas inteiras de contribuição) e a terceirização do trabalho.

Os tetos, para as empresas de responsabilidade civil limitada (T4F, Aventura Entretenimento, etc), são de R$ 10 milhões por projeto, até o limite de R$ 40 milhões, e são admitidos até DEZ projetos por ano. Ou seja: exatamente como vem sendo, com um ou outro projeto fora da curva nos últimos 5 anos.

Logo no início do texto, vem a restrição do perfil do proponente de cultura. Só poderá apresentar proposta de financiamento pelo incentivo fiscal o proponente que comprovar 24 meses de atuação na área, com portfólio. Imaginem grupos de expressões indígenas, de hip hop ou de cultura popular produzindo portfólios de 24 meses de atuação para poder reivindicar o estímulo. E o primeiro projeto apresentado só poderá ter valor de até R$ 200 mil. A instrução normativa cria problemas para os pequenos e para os novos produtores, afunilando ainda mais e acentuando privilégios.

Na coletiva, o secretário de Incentivo à Cultura, José Paulo Martins, informou que serão privilegiadas as propostas de proponentes que já tenham em vista um investidor. Isso reduziria em 60% o volume de recursos apresentados à Lei Rouanet. Aí está um absurdo: o princípio presumivelmente democrático do mercado só serve para quem tem acesso privilegiado ao mercado. O resto chupa o dedo.

A mudança deu um jeito de manter privilégios de instituições como a Fundação Fernando Henrique Cardoso, que paga até papel sulfite com dinheiro da Lei Rouanet. Pode-se utilizar 50% dos custos do projeto na administração, e são admitidas como despesas de administração material de escritório; contas de telefone, água, luz ou de internet; pagamentos de pessoal administrativo e encargos sociais, trabalhistas e previdenciários. Ou seja: nada mudou.

A mudança institucionaliza o ingresso caro (“o valor máximo do produto cultural, por beneficiário, será de até R$ 250,00”) e cria um ingresso médio de fábula (R$ 150). Grupos artísticos foram equiparados a equipes de desfiles de moda, modelos e maquiadoras.

Os captadores de recursos podem cobrar até 10% (dez por cento) do valor do projeto, até o máximo de R$ 100.000,00 (cem mil reais). Se captar para o Norte ou Nordeste, pode chegar a 15% e valor máximo de R$ 150 mil.

Há uma ou outra coisa que se salva nessa cascata. O artigo 36, por exemplo, que veda utilização da lei por instituições religiosas, salvo quando caracterizadas exclusivamente como colaboração de interesse público e desde que o objeto do projeto contemple edificação tombada pelo poder público ou tenha natureza cultural. Evita que evangélicos queiram usar para suas igrejas, a não ser que elas já tenham um reconhecido valor histórico e arquitetônico.


Já as mudanças de atualização tecnológica e fiscalização não precisavam de nenhuma instrução normativa para serem adotadas. São questões de gestão do sistema. Aquela cara e aquele discurso de rigor extremo do ocupante da cadeira de ministro da Cultura na coletiva desta terça eram um grande exemplo de manifestação artística: um belo dum teatro.